quinta-feira, 30 de abril de 2009

EU RECOMENDO – by Larissa

Recebi esta recomendação de leitura pela amiga Larissa, que também participou do 2ª Encontro realizado pelo CECC (Artes, Tecnologia e Entretenimento).

Pelo visto o mundo gostou da idéia de inovar no design e na tecnologia para entreter as pessoas. A nova invenção é o AudioCubes, que são cubos que permitem criar variações melódicas na música com o simples abrir e fechar das mãos sob os cubinhos.

Como diria minha Avó: “MEU FILHO, ISSO É COISA DO CARAMUNHÃO!!!”
Aí eu rebato: “Não, Vovó. Isto é tecnologia!”

Especificações técnica do cubo:
  • Dimensão: 75mm x 75mm x 75mm
  • Peso: 0.4 Kg
  • Alcance da transmissão wireless: aproximadamente 40cm
  • Autonomia da bateria: aproximadamente 3 horas
  • USB 2.0 (HID): alta velocidade de transmissão de dados (12Mbps) / compatível com MIDI
  • Audio In/Out (por cubo): 1/4 / (32kHz / 9 bit)
Show de bola, não?

Acesse o link recomendado pela Larissa http://oglobo.globo.com/blogs/overdubbing/#181464 e saiba mais sobre o AudioCubes.

VOCÊ TAMBÉM PODE RECOMENDAR UMA MATÉRIA OU ARTIGO, MANDANDO UM E-MAIL OU COMENTANDO AQUI NO NA COMUNIDADE.

Sustentabilidade – Apenas mais uma onda?



Sobrinho Mala: “Tiu, o que é Sustentabilidade???”

Segundo o Relatório de Brundtland (1987), sustentabilidade é: "suprir as necessidades da geração presente sem afetar a habilidade das gerações futuras de suprir as suas".

Sobrinho Mala: “Hunnn, acho que entendi. Sustentabilidade é quando eu deixo de jogar um papel pela janela do ônibus e o guardo na mochila para jogar na lixeira. Não é?”

Sim, sobrinho. Podemos dizer que sim. Mas sustentabilidade vai muito mais alem do que deixar de jogar papel no chão.

Empresas, hoje em dia, usam a ‘sustentabilidade’ como diferencial competitivo de mercado. Adotam a filosofia de ser uma empresa sustentável e lançam-se no mercado como a ‘salvadora do planeta’... PARABÉNS as que realmente fazem a diferença.

Uma ação interessante é a parceria entre a Coca-Cola e o Wal Mart realizada desde 2008 onde neste programa são realizadas coletas de materiais sólidos, como: PET, isopor, alumínio etc. Este tipo de programa tem vários objetivos e metas, acredito eu, que a grosso modo, cada ação impactará de certa forma no que diz respeito ao:
  • Ambiente, melhorando a qualidade do meio em que está inserido;
  • Social, incentivando o cooperativismo entre as pessoas e a responsabilidade social que cada uma tem perante o meio em que vivem; e
  • Econômico, gerando receita com o material reciclado, reconhecimento da marca pelo mercado e redução dos custos com a otimização e racionalização do uso de ferramentas, insumos e processos.
Outra ação sustentável foi a do Mc Donald’s. Sua operadora brasileira trabalha com a idéia de implantação de ‘restaurantes verdes’, uma loja ecológica seguindo as diretrizes do US Green Building Council. (Veja matéria completa no blog ‘Amor ao Planeta’)

Atualmente, a grande maioria das pessoas e empresas estão atraídas pelo conceito de sustentabilidade e isto é o correto. Mas, gostaria de deixar claro que ter o foco na sustentabilidade é um compromisso e não mais uma onda para fazer sucesso.

Quando digo “nós todos”, estou incluindo pessoa física também. Nós temos as mesmas responsabilidades que as empresas têm. Não devemos desmatar, não devemos jogar lixo no chão, devemos incentivar o uso racional de nossos recursos naturais, racionalizar energia elétrica etc.

Esta semana estava relendo um artigo na Revista da Administração (CFA) de novembro/dezembro de 2008 e concordo com a seguinte colocação de Fernando Almeida (Mestre em Engenharia do Meio Ambiente pelo Manhattan College, de New York)
“a sustentabilidade começa a deixar as elites para se transformar numa bandeira da sociedade em geral”.
Sustentabilidade parece novo, algo que surgiu ontem. Mas não, já existe há muito tempo. Nós é que não prestamos a atenção nela.

Fica a pergunta para ser respondida nos comentários: Você se considera uma pessoa que busca a sustentabilidade do meio em que vive? COMENTE!!!

quarta-feira, 29 de abril de 2009

HUMOR – Campanha Contra a Pirataria

Pirataria é algo sério. Ainda mais quando se vende mais pirata do que o próprio original (Tropa de Elite).
Já tivemos até um determinado cantor que afirmou gostar de ter seus discos pirateados, pois só assim ele seria ouvido pelo povo menos favorecido.
Mas cá entre nós, pirataria é PIRATARIA e É CRIME!
Essa foto foi tirada lá na Rua Uruguaiana (Centro Metropolitano da Cidade das Piratarias ao ar livre).
ATENÇÃO, LEÃO À SOLTA NAS RUAS DO RIO DE JANEIRO!!!

Sobrinho Mala: “TIU, EU QUERO UM ‘PÔNEI’ DESSES!!!”

terça-feira, 28 de abril de 2009

Fronteiras entre Artes, Tecnologias e Entretenimento

ATENÇÃO CRIANÇADA, DIRETAMENTE DO JAPÃO!!!!


Sobrinho Mala: “OBA, TIU!!!”

Pois é, Sobrinho. Tire seu cavalinho da chuva, pois este blog não vai tratar de Naruto ou de qualquer outro desenho japonês. Explanaremos sobre algo muito mais interessante.

2º Encontro realizado pelo Consórcio de Entretenimento e Cultura Contemporânea - Fronteiras entre Artes, Tecnologias e Entretenimento.

Palestrante: Machiko Kusahara (Universidade Wasedo e UCLA)
Debatedores: Cora Rónai (Jornalista e colunista de O Globo);
André Parente (Professor do PPGC/UFRJ e artista multimídia);

Local: Oi Casa Grande.
Data: 27/04/2009

Machiko Kusahara é professora na Universidade Waseda, em Tóquio (Japão) e Professora Visitante na UCLA (EUA). Ela tem sido curadora de mostras de arte digital desde 1985, e esteve envolvida em projetos importantes como a fundação do Tokyo Metropolitan Museum of Photography e do ICC – The Intercommunication Center of Tokyo. Suas pesquisas, de caráter interdisciplinar, conectam campos distintos como arte, ciências, tecnologias, cultura, sociologia e história. Suas publicações mais recentes incluem análises da cultura visual japonesa em uma larga perspectiva histórica, indo desde as técnicas e dispositivos visuais pré-cinema, como as lanternas mágicas e os panoramas, até a contemporaneidade, com a Device Art.

Vamos começar...

Sinto-me à vontade em dizer que não curti tanto esta palestra, não pelo conteúdo e sim pela tristeza que me bateu em ver como nosso país está a anos luz de alguns outros. (snif)

Infelizmente, tive que me ausentar da palestra antes mesmo do fim, mas pude fazer algumas anotações interessantes sobre a apresentação da Kusahara.
Kusahara começou com uma apresentação um tanto quanto estranha. Uma série de vídeos demonstrativos contendo criações bizarras, como:

Taratter

O usuário tem dois teclados presos aos punhos. Ao pressionar as teclas, o batedor em seus pés, sob os sapatos, move-se para cima e para baixo produzindo ‘música’.



Seamoons

video

São máquinas com pulmões e cordas vocais, que ‘cantam’ a partir do comando de um computador.

Juro que quase morri de medo com essas ‘inovações’. (risos)

Uma amiga minha também assistiu e teceu o seguinte comentário: “Esses japoneses tem tanto dinheiro que não sabem onde investir e acabam fazendo essas ‘inutilidades’”
Olha, eu mesmo pensei assim. Mas após refletir vejo isso como mais do que inutilidade, vejo isso como exercício da mente. Pois a criatividade é um grande passo para o sucesso.

O legal da cultura nipônica é que desde cedo eles incentivam o desenvolvimento da habilidade de criar/inovar nas pessoas, oferecendo livros dinâmicos e inteligentes.

Você leitor deve estar todo feliz, porque tem um celular com tecnologia G3 ... Sinto muito mais tirarei sua felicidade. Conheça o KDDI Idda G9.












Isso mesmo, este sim é o celular do futuro, com:
•Resolução de 480 × 854 pixels e 260k cores;
•Câmera de 3 megapixels;
•GPS;
•Infravermelhos;
•Bluetooth;
•Micro SD Card Slot;
•Suporte para celular do Pico Projetor;
•Medidas do aparelho - 115 × 50 × 17,4,
•Com 128 gramas
•Vendido por aproximadamente $ 450 dólares.

Quanta tecnologia, hein? Mas penso que tudo isso, antes de ser o que é, passou pela fase de ser um: Marimca,Taratter, Seamoons etc.
Para finalizar, alerto que toda esta tecnologia é utilizada para entreter e que não apenas se trata de ‘loucura do sol nascente’, mas sim de Tecnologia + Arte + Entretenimento.

Ah! Lembrei. Juro que assisti isso... Kusahara passou um vídeo de um carro com rabo. Isso mesmo, RABO. Por que isso? Esse rabo serve para sinalizar o ‘humor’ do condutor. Se o rapo estiver para cima, ele está de acordo com a ultrapassagem. Se o rabo estiver balançando ele estará indicando outra informação, e assim vai.

Como diria Silvio Santos: Bem bolado, Lombardi. Bem bolado... (Rá Rá. Ri Ri)

sábado, 18 de abril de 2009

E-mails Encaminhados ao Administrite

Este é um e-mail que me foi encaminhado pela minha Cunhadinha preferida (Naty).
O conteúdo já foi abordado pelo Administradores.com.br no ano passado, e por mais este motivo vale a pena ser apreciado outra vez.
Obrigado, Cunhadinha! Continue colaborando ;)

A IMPORTÂNCIA DO “NÃO SEI”
por MAX GEHRINGER

Se você ainda não sabe qual é a sua verdadeira vocação, imagine a seguinte cena:
Você está olhando pela janela, não há nada de especial no céu, somente algumas nuvens aqui e ali e aí chega alguém que também não tem nada para fazer e pergunta:

- Será que vai chover hoje?

Se você responder "com certeza" ...a sua área é Vendas:
- o pessoal de Vendas é o único que sempre tem certeza de tudo.

Se a resposta for "sei lá, estou pensando em outra coisa" ... então a sua área é Marketing:
- o pessoal de Marketing está sempre pensando no que os outros não estão pensando.

Se você responder "sim há uma boa probabilidade" ..você é da área de Engenharia:
- o pessoal da Engenharia está sempre disposto a transformar o universo em números.

Se a resposta for "depende"... você nasceu para Recursos Humanos:
- uma área em que qualquer fato sempre estará na dependência de outros fatos.

Se você responder "ah, a meteorologia diz que não"...você é da área de Contabilidade:
- o pessoal da Contabilidade sempre confia mais nos dados no que nos próprios olhos.

Se a resposta for "sei lá, mas por via das dúvidas eu trouxe um guarda-chuvas" :
- então seu lugar é na área Financeira que deve estar sempre bem preparada para qualquer virada de tempo.

Agora, se você responder "não sei"...há uma boa chance que você tenha uma carreira de sucesso e acabe chegando a diretoria da empresa.

De cada 100 pessoas, só uma tem a coragem de responder "não sei" quando não sabe. Os outros 99 sempre acham que precisam ter uma resposta pronta, seja ela qual for, para qualquer situação.
Não sei, é sempre uma resposta que economiza o tempo de todo mundo, pré-dispõe os envolvidos a conseguir dados mais concretos antes de tomar uma decisão.
Parece simples, mas responder "não sei" é uma das coisas mais difíceis de se aprender na vida corporativa. Por quê?

Eu sinceramente "não sei".

sexta-feira, 17 de abril de 2009

RESUMO DE ENTREVISTA – HSM Janeiro-Fevereiro/2009

A revista que mais me chama a atenção é a HSM Management. Por quê? Por ser rica em conhecimento e ter cases fantásticos. A partir daí, começarei a expor pequenos trechos de matérias aqui no blog.

Este artigo saiu na sessão diretoaoponto [pingue-pongue] da edição de Janeiro-Fevereiro/2009 e trata de uma série de 5 perguntas a Wagner Brenner – Ex diretor de criação sênior da agência McCann-Erickson – realizada pelo entrevistador Jorge Carvalho.

Então vamos ‘Direto ao Ponto’.

HSM: Hoje cada vez mais pessoas reclamam de excesso de informação e déficit de conhecimento. Blogs são heróis ou vilões neste filme?

Wagner: Podem ser as duas coisas; e tanto heróis como vilões costumam ter grandes poderes. Blogs primam por disponibilizar um volume insano de informações – que antes se perdiam por não passarem pelos gargalos da mídia tradicional – e democratizar a emissão dessas informações, o que pode ser bom e ruim ao mesmo tempo. [...] Agora, precisamos refinar o filtro. [...] As informações vão virando conversa e eventualmente viram conhecimento. [...] O segredo é saber quem você puxa para o canto para conversar.
Precisamos aprender a conversar, e isso quer dizer aprender a aprender. [...] As coisas mais interessantes muitas vezes aparecem de forma sutil. [...] O negócio é escolher bem e saborear mais.
[...] Então eu pratico o aprendizado informal, o autodidatismo, e venho desenvolvendo meu próprio método para isso – cada um deve desenvolver o seu. [...]

HSM: O aprendizado informal é a chave? Para adultos em especial? Esses parecem ter mais dificuldade de aprender do que as crianças...

Wagner: Sim, o aprendizado informal é o caminho. Não acho que os adultos tenham mais dificuldade; têm mais resistência. [...]
[...] Tudo que a gente aprende naturalmente, sem precisar ir para a escola, é aprendizado informal. [...]
[...] O traço principal de gente inteligente é a curiosidade, não a erudição. [...]
[...] É claro que treinamento formal tem seu valor, mas a verdade é que as pessoas preferem mais descobrir as coisas a serem ensinadas. [...]

HSM: Um blog pode ser realmente útil, e até profissional, sem descaracterizar-se?

Wagner: Blog bom nasce de uma paixão [...]
[...] Temos vários business blogs no escopo do UoD (Updade or Die), como o da Livraria Cultura, o da Young & Rubican, o de vocês e o da Bullet, e todos que têm gente apaixonada por “consumir a vida” de modo geral – nenhum virou um jornalzinho digital. [...]

HSM: E o que você recomenda aos nossos leitores: blogging ou updating?

Wagner: Updating, claro! [...]
[...] Elas só precisam não agir como o rebanho; elas têm de investir no autodesenvolvimento.Update or die!
HSM Management - nº 72 - ano 12 - volume 1 - janeiro-fevereiro 2009 - http://hsmmanagement.com.br - "Liderança em Crise"

quinta-feira, 16 de abril de 2009

FELIZ ANIVERSÁRIO, ATRASADO, SKINY!!!

Pois é, 35 anos de existência e muita história para contar. Sei que muitos produtos são até mais velhos. Mas este é muito especial para mim.

Antes de continuar, tenho uma reclamação!

Estratégia perfeita, super show. Mas... Mabel, ou você deixa o produto na prateleira ou tira de vez, Blz?
Falo isso porque muitos aqui desconhecem este biscoito e o motivo é a ruptura nas gôndolas. Antigamente (década de 80) Skiny era um sucesso. Mas de repente, ele sumiu. “Skiny? Que isso?”, era o que se ouvia. Eu mesmo, um super fã, só fiquei sabendo ontem (15/04/2009) que o Skiny completou 35 anos. Completados no ano passado!!!! É triste ter um biscoito de ótima qualidade, muito mais saudável que os das concorrentes e ao mesmo tempo desconhecido pelos mais jovens. Como diria meu sobrinho: “aff, tiu”.

Let’s go...

O real motivo que me fez postar sobre este assunto foi uma sacada que muito me chamou a atenção. Algumas empresas sempre que comemoram anos de vida lançam um produto comemorando este fato, geralmente uma edição limitada.
Esta é uma opinião minha, mas acredito que de alguma forma, assim como me impactou, uma ação deste tipo impactará outras pessoas e reforçará a marca na cabeça (share of mind) e no coração (share of heart) dos consumidores.

Conheça mais sobre o Skiny:

"Skiny marcou época com o sabor que todo mundo adora e seu inconfundível personagem: o Bigodudo. Sempre crocante e com aquele gostinho delicioso de milho. Para relembrar os velhos tempos, Skiny preparou esta edição especial em comemoração aos seus 35 anos. Com um personagem que virou ícone de uma geração, esse famoso salgadinho continua a agradar os brasileiros até hoje. Simplesmente irresistível". (verso da embalagem – 18.180)

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Busdoor - Criatividade sem limites

Mas o que é busdoor?

Perguntei ao meu sobrinho (o mesmo do post anterior) e ele respondeu: "Eu sei, Eu sei!!! Busdoor é a porta do ônibus!? Não é?"
Por um momento eu fiquei feliz, pois percebi que pelo menos um pouco de inglês ele entende. Mas busdoor não é isso...

Em outras palavras:

"busdoor é uma estratégia de divulgação, como o outdoor, só que neste caso os painéis são fixados em ônibus, nos espaços laterais, traseiro e frontal para expor mensagens publicitárias."

Realmente a criatividade dessas pessoas me surpreende a cada dia. Os consumidores estão cansados de ver a mesma coisa e eles querem novidade. Impactar o cliente com uma ação deste nível aumenta as chances de que a marca fique registrada em sua mente por um longo tempo. Ainda mais quando propicia a interatividade com o consumidor.

Vejo que no Brasil esse tipo de mídia ainda está na fase primária, pois como pode-se perceber pelas imagens do álbum, este modelo de busdoor é muito utilizado em outros países.
Veja mais campanhas de busdoor no Álbum do Administrite

terça-feira, 14 de abril de 2009

Bom dia por quê?

Você acabou de chegar à empresa que trabalha, e a primeira coisa que fez, ou melhor, disse foi: “Bom Dia, Fulano!”

Para sua surpresa este Fulano retribuiu seu bom dia de forma animalesca. Tsc tsc tsc
Estudos comprovam que o mau humor é prejudicial à saúde e ao relacionamento social, já que em uma sociedade este é muito importante, tanto para um simples relacionamento pessoal como para o profissional.

Não custa nada ser educado ou praticar o bom humor. Quem vive bem humorado vive mais, produz mais e LUCRA MAIS!

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Fundamentos do Marketing em Mídias Sociais

Palestrante: Sergio Rodrigues
Data: 24/03/2009
Local: Instituto Infnet

Antes de começar, muitos reclamaram do uso excessivo do verbo ‘salientar’, logo ‘saliento’ que não mais serei tão ‘saliente’. (risos)

Vamos ao resumo!

Estamos na era da Web 2.0, uma web dinâmica, flexível e rápida. Criou-se então a necessidade de estarmos conectados quase que 24 horas por dia, em todos os lugares, através de toda ou qualquer ferramenta disponível.

Sergio abordou o assunto de maneira clara e simples. Posso dizer que não foi exatamente uma palestra ou um mini-curso. Foi um bate papo, uma troca de informações e conhecimento.

Conversamos sobre o crescimento das redes de relacionamento e a maneira que as empresas usam estas redes como estratégias de marketing para alavancar seu crescimento.
Muitas usam canais como: Yahoo Vídeos, LinkedIN e Yahoo Respostas para estarem cada vez mais próximas do seu cliente.

Uma nova onda que vem surgindo é a utilização de microblogs (Telog, fanfou.com e twitter), Sergio chamou a atenção para o Twitter, que vem crescendo de maneira impressionante.

Fóruns também são muito utilizados (Google Groups, grupos.com.br, Yahoo Groups). Mas devemos ter cuidado para não saturar o cliente. Não adianta entramos nestes canais e ao mesmo tempo estarmos ‘enchendo o saco’. Devemos estar ali sim, mas como participantes, ouvindo e colaborando com os usuários.

Sergio explanou sobre o BuzzMarketing, que significa: O que estão falando de sua marca?
Conversamos sobre o Orkut, como determinadas marcas estão sendo muito mal faladas por lá e o quanto isso é negativo para a imagem da empresa. Ex.: Eu odeio a Oi, Eu odeio a Vivo, Eu odeio o Orkut etc.

Lembrou Sergio do quanto é importante cuidar da imagem da empresa junto às mídias sociais e o quanto é oneroso ter a imagem mal falada. Devemos usar as mídias para estar junto do cliente, para identificar novos prospects, proporcionar experiência com o consumidor e promover entretenimento.

Vocês lembram do Alô Grazi? (Veja mais na comunidade)
Pois é, essa foi uma maneira encontrada pela empresa para aproximar seus clientes.

Hoje em dia as empresas estão buscando maneiras interativas de aproximar-se ainda mais do cliente.

E você, nobre leitor, já viu alguma mídia que realmente chamou sua atenção por ser, digamos, inovadora? Olhe na comunidade do blog alguns links das estratégias de marketing mais bem sucedidas. E também não deixe de contribuir, postando sua experiência na comunidade ou nos comentários.

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Dilbert - Humor

Esta tirinha me fez lembrar de uma pessoa que trabalhou comigo. Quando chegava para falar com o chefe sobre o seu projeto, o chefe fingia que o projeto era o mais importante e ele fingia que acreditava ...

Pessoal, choro só de pensar que ficaremos sem post por causa do feriado. Estarei em Jaconé curtindo uma praia e comendo peixe frito (di-li-ça) rs. Semana que vem teremos mais...

FELIZ PÁSCOA PARA TODOS E UM ÓTIMO FERIADO

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Innoversia e os desafios da inovação

Local: PUC Rio
Data: 03/04/2009
Horário: 09:00 às 18:00

“... inovação é gerar valor, de qualquer tipo, a partir da criatividade e a partir das idéias originais ...”
Waldez Ludwig – Veja o vídeo no Canal YouYube

Confesso, sou culpado. Cheguei na metade do primeiro painel ... Mas foi culpa do aquecimento global. Pois quando saí de casa o céu estava azul e os pássaros cantando, cheguei ao Centro da cidade com um temporal de dar medo. Aí sabe né: Temporal + Centro da Cidade = Trânsito e Aborrecimento.

Vamos ao resumo do seminário.

Painel I – Inovação: como fomentar a relação universidade-empresa
  • Convidados: José Aranha (PUC Rio) e Dayse Gomes (Vale)
  • Mediador: Jorge Audy (PUC-RS)
O primeiro ato foi incrível, eu chegando atrasado (vergonhoso)...

Dayse estava apresentando o modelo de Gestão da Vale. Ela explicou que a Inovação vem do Conhecimento adquirido, sendo ele oriundo do Conhecimento formal (meio acadêmico) e Informal (Interação com a sociedade).
Salientou também a importância da educação continuada.

Painel II – Modelos de incentivo à inovação
  • Convidados: Pedro Longuini (Santander) e Renato Marques (FINEP)
  • Mediador: Nilton Silva (CEFET-RJ)
Particularmente a segunda melhor palestra (na minha opinião).

Longuini também apresentou o modelo do Santanter e explanou brevemente sobre a fusão entre o Banco Santanter e o Banco Real.
Comentou que a partir dos ambientes (interno e externo) é possível criar idéias inovadoras para a organização. Em sua apresentação ele chamou a atenção para a frase “Restrições são essenciais para o desenvolvimento e implementação de novas idéias”, e você, concorda??? (debata esta frase na comunidade)

Apresentou a existência de 3 tipos de metas, na visão do Grupo Santander: de crescimento natural, de cresimento através de novas idéias e de crescimento através de outras iniciativas

As 3 fazes de um processo inovador. (figura ao lado)
Longuini alerta de que o sucesso da idéia não é garantido.

Case abordado – O Papa-Pilhas do Banco Real

Com o volume crescente de pilhas sendo depositadas, e a existência de apenas uma fábrica especializada neste tipo de reciclagem. Houve o problema do crescente nº de pilhas para poucas fábricas. O que fazer? Parar o projeto? Onde colocar tantas pilhas? O projeto está sendo reestudado para não ser encerrado. Mas aí outra pergunta, você como gestor da idéia inovadora, sabendo que não seria bom para a imagem da empresa encerrar o projeto, o que faria? (comente)

Renato Marques explicou sobre o apoio que a FINEP vem dando para as empresas: Programa PAPPE, Juros Zero etc.








Painel III – Instrumentos de regulação da relação universidade-empresa
  • Convidados: Jorge Audy (PUC-RS), Fernando Cosenza (Serasa Experian) e Andréa Ramal (ID Projetos Educativos)
  • Mediador: Branca Terra (UERJ)
Audy abordou com total clareza o tema. Como diria meu sobrinho de 9 anos: ‘Tiu, ele é u cara!’

Jorge Audy explicou como é importante a relação Universidade + Empresa + Governo, onde: Universidade forma empresas, governo entra como capitalista de risco e a empresa investindo na educação de alto nível.
Afirmou que o Governo é indutor do desenvolvimento adequado e estável.
Comentou sobre a Lei da Inovação e Lei do Bem.
Alertou que as empresas devem:
  • Ficar atentas na sua cultura, pois com a competitividade global a mudança de determinadas culturas é fundamental;
  • Incentivar projetos inovadores;
  • Investir em conhecimento (capacitação);
  • Conhecer as oportunidades;
  1. Participação em cluster e redes setoriais; e
  2. o Participação em instrumentos governamentais.
As universidades também têm seu papel, e devem:
  • Mudar sua cultura; e
  • Trabalhar melhor seus mecanismos institucionais
  1. Geração de propriedade intelectual; e
  2. Criação de ambiente de inovação (incubadoras).

Painel IV – Patentes – Desafios e Perspectivas
  • Convidados: Fernando Baratelli Jr. (Cenpes/Petrobras) e Ricardo Pereira (UFRJ)
  • Moderador: José Aranha (PUC Rio)
Posso dizer que o clima esquentou. Se fosse lá em Codó, o pau comia (risos).
Baratelli explicou o motivo de a Petrobras não liberar determinadas tecnologias, descobertas, ou conhecimento para o público. Tudo para gerar uma maior competitividade, garantir liberdade de operação e o retorno sobre a idéia.
Concordo com ele até certo ponto. Acredito que o não reconhecimento do profissional gerador da idéia, prejudica em sua motivação. Já que a idéia passa a ser de propriedade da Petrobras. E o que você acha? Você é a favor da exclusividade da idéia pela Petrobrás? (Comente)

E para encerrar: O Coffee-Break estava D+.
Gostaria de dar os meus parabéns ao pessoal da Universia, o seminário foi ótimo!
Conheça a Universia, acesse: Portal Universia

terça-feira, 7 de abril de 2009

Esclarecendo algumas dúvidas a respeito dos indicadores – Humor

Sei que muitos de vocês ainda têm dúvida de como se chega à conclusão de que a coisa está preta.
Outros ainda ouvem dizer que são os indicadores que demonstram o nível de desemprego em um país, e é ai que ferra tudo.
Que diachos são estes indicadores??? Nossa amiga abaixo descobriu sozinha.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Entretenimento e Relações Sociais no Brasil Contemporâneo

Local: Teatro Oi Casa Grande
Data: 30/03/2009
Horário: 19:30 às 22:00

Palestrante:
Roberto DaMatta
Debatedores:
Arnaldo Block
Lívia Barbosa
Everardo Rocha

Confesso que antes de assistir esta palestra eu acreditava que entretenimento envolvia apenas ir ao cinema, divertir-se com os amigos ou outro qualquer evento que envolvesse relações com outras pessoas. Pois é, eu estava enganado.

A Palestra foi um sucesso. Roberto simplesmente é um Gênio.
Foi abordado como hoje nossos ritos mais comuns estão banalizados. Sexo, beleza, trabalho, etc.

Arnaldo Bloch comentou algo que muito me chamou a atenção. Ele alertou para o fato de algumas pessoas não considerarem uma visita ao museu ou uma exposição, como entretenimento, e que alguns não acreditam que em uma leitura pode-se ao mesmo tempo estar se divertindo (entretendo). Lembrou Arnaldo de que quando o leitor está lendo, ele ao mesmo tempo está imaginando, criando e pensando. Salientou Arnaldo que algumas pessoas falam que os que vêem a leitura como diversão e forma de entretenimento são aquelas quem tem um papo careta ou algo neste gênero.

Eles lembraram a época da Ditadura, quando as formas de comunicação eram restringidas.

Lívia Barbosa falou bastante sobre a importância do entretenimento. Salientou que entender o que é entretenimento e como se entreter, aprende-se desde cedo em casa, na escola e na sociedade.

Não me recordo muito bem quem falou, mas um deles comentou sobre o samba do malandro, que na época de Getúlio foi proibido por fazer piada do Trabalho, que era visto como uma obrigação.
Hoje em dia o trabalho é visto como uma saúde mental, uma forma de pensar e estar em atividade.

A palestra foi muito boa, fico triste por quem não pode assistir e se entreter. (risos)
Alerto que para aqueles que não tiveram a oportunidade de ir, que toda a última segunda-feira de cada mês terá uma palestra. Na próxima conto com todos vocês lá.


Saiba mais em: ESPM - Escola Superior de Propaganda e Marketing

domingo, 5 de abril de 2009

Administrite 2.0


Administrite mudou, e agora está curado!

Vivemos em uma nova era, a era do conhecimento. Vivemos (ou deveríamos viver) em uma sociedade do conhecimento, onde se é dado valor à pesquisa, idéias, inovações, debates inteligentes e toda ou qualquer manifestação que promova o desenvolvimento social e intelectual de uma nação.
Administrite 2.0 vem com o objetivo de expor assuntos debatidos em palestras, eventos, congressos etc., gerando assim a troca de conhecimento entre os visitantes. Serão abordados, também: artigos, matérias, frases e qualquer outra coisa que agregue conhecimento.
Então, vamos nessa!
Comente, grite, ‘xingue’, brigue, manifeste-se, porque calado é que não se vai a lugar algum.
Related Posts with Thumbnails